Japão – A Flor Estúpida e a Graciosa

Japão
        Essa é um breve relato de um viagem que fiz de um mês com a minha companheira pelo Japão . Que experiência. Que povo fantástico. Até hoje guardo no meu coração as experiências dessa incrível jornada.

O Japão e a Organização

Japão, o que dizer do Japão? É sem sombras de dúvidas o país mais organizado que eu já conheci, e olha que já devo ter visitado mais de setenta países

Tudo funciona milimetricamente como estipulado. Se o trem é para chegar às 11:31, ele chega exatamente nesse horário. Nem um minuto a mais, nem um minuto a menos. É incrível

Transporte público extremamente eficiente, trens bala para tudo que é lugar. No Japão, esses trens rápidos são conhecidos como  shinkansen.

  É como viajar de Florianópolis a São Paulo, por exemplo,  em duas confortáveis horas, pegando o trem no centro de uma cidade, e saindo no centro de outra cidade.

 Eu sinceramente não vejo um transporte como esse sendo desenvolvido no Brasil nem mesmo nos próximos 30 anos. Uma pena. Sua visão de transporte muda depois de andar num shinkansen, e eu andei dezenas de vezes!

Cidades extremamente limpas (muito mais do que na Europa e EUA), informações turísticas abundantes, entre tantas outras coisas boas.

Os serviços de informação turística eram sensacionais, tinha folheto para tudo que você quisesse, e pessoas sempre gentis para explicar eventual dúvida.

Eu sempre ficava imaginando como nós não tratamos os turistas que chegam ao Brasil em matéria de informação.  A diferença entre os dois países, infelizmente, é abissal nessa questão.

Trem bala no Japão
Famoso shinkasen, ou trem bala japonês

O Povo Japonês

Quando se saía do estabelecimento, novamente o coro entra em cena e dizia “Arigato gozaimasu” (muito obrigado).

        Não era nada forçado, não é nada artificial, é como eles são.

     Não tenho dúvidas, que esse jeito de ser educado, de forma espontânea dos japoneses, transforma a realidade, e por via de consequência o próprio tecido social.

      E a forma de se cumprimentar se curvando? Uma forma de dizer que você respeita a outra pessoa. Eu toda hora cumprimentava assim e recebia o mesmo tratamento.

      Ah, e o que isso tem demais?” alguém pode estar refletindo.

     Bom, eu admiro muito a forma de pensar Budista e as quatro verdades fundamentais. Uma delas diz que o caminho para a iluminação é você praticar posturas corretas. Falar corretamente, pensar corretamente, agir corretamente, entre outras.

     Ora, quando o indivíduo, e um povo, constantemente exerce a gentileza, a educação, o respeito, essas formas de agir, pensar e falar vão criando um feedback altamente positivo e vão nos colocando na direção correta.

     Por isso eu fico triste ao ver que nós brasileiros cada vez menos pedimos desculpas, falamos por favor, respeitamos os outros em atos do cotidiano, eu creio que isso apenas vai minando cada vez mais o tecido social, e nos enfraquecendo enquanto pessoas.

O Japão e as Flores

E o que as flores têm a ver com tudo isso? Por qual motivo o título desse artigo sobre o Japão remonta a flores?

A Flor Graciosa

   É o Hanami (a tradução literal é “contemplar as flores”). As Sakuras florescem entre o final de março e o começo de maio dependendo da região, e permanecem full blossom, ou seja, completamente abertas, por pouquíssimos dias.

   Eu vi Sakuras por todo o Japão, mas sem elas estarem completamente abertas.

   No meu último dia de viagem, fui agraciado com um dia lindo de sol, e com a sorte de pegar as cerejeiras num dos seus melhores dias. Magnífico!

   Fui a um parque lindíssimo em Tóquio e milhares de japoneses se reunindo para contemplar a beleza das flores.

   O que dizer de um povo que possui como um dos eventos nacionais mais importantes ir a parques com familiares, colegas de trabalho, para contemplar a beleza do despertar de um flor?

   É sem palavras. Há tanta coisa para pensar a respeito, a impermanência da vida (um conceito budista importante),  manifestado no ciclo de vida dessas flores.

   As Sakuras florescem, murcham, florescem novamente.  A necessidade de se aproveitar o momento presente sem pensar demasiadamente no futuro, afinal as flores caem em poucos dias, como a nossa juventude se esvai, a nossa saúde deteriora, , mas isso não deve ser motivo para não aproveitarmos a benção que é estar vivo.

   Enfim, foi uma experiência muito marcante para mim.

As Cerejeiras no Japão
Explosão de clores e belezas de Sakuras num parque em Tóquio na capital do Japão
Eu contemplando Sakuras no Japão
Eu contemplando a beleza das cereijeiras
Japoneses num parque no Japão
As pessoas se reunindo embaixo das árvores para comer, conversar, ou apenas apreciar o fato de estar vivo.

A Flor Estúpida

Você pode estar perguntando “e como uma flor pode ser estúpida?”.

 Em seis de agosto de 1945 às 9h15min, o mundo se transformou para pior. A primeira bomba nuclear contra um alvo civil foi despejada na cidade japonesa de Hiroshima.

 Em poucos segundos, uma cidade vibrante foi quase reduzida a pó, e dezenas de milhares (o número chegaria a mais de 150 mil pessoas até o final de 1945) de pessoas foram assassinadas.

Relógio Hiroshima
Foto de relógio destruído marcando o horário da bomba (fonte imagem strait times)

 

   Três dias depois, às 11h02m uma segunda bomba nuclear foi utilizada na lindíssima cidade de Nagasaki, ocasionando a morte instantânea de dezenas de milhares de pessoas.

   O que é uma arma nuclear?  Bom, ela  é baseada no conceito descoberto por um dos homens mais brilhantes que já existiu de que matéria e energia na verdade são intercambiáveis (sim é o E=MC2).

   Basicamente, se bombardeia núcleos atômicos de urânio ou plutônio com nêutrons, isso faz com que os núcleos desses dois elementos se “quebrem” em átomos menores liberando energia.

   Por isso é dito que é um processo de fissão nuclear , ao contrário do que ocorre no interior de uma estrela que é fusão nuclear onde dois átomos de hidrogênio se fundem  e formam um hélio, liberando energia (a luz que recebemos na terra e nos mantém vivos) no processo.

   Hoje em dia, existem bombas de hidrogênio que são 2.000 vezes mais potentes do que as bombas nucleares utilizadas no Japão, e o funcionamento dessas bombas é diferente, mas não vou me estender no assunto, até porque não domino o mesmo.

   Quando as duas bombas explodiram se teve a criação de três efeitos físicos e um social. O primeiro efeito físico é a quantidade de energia liberada, provocando uma onda de calor, que chegou a aproximadamente 4.000 graus Celsius, e incinerou tudo, humanos inclusive e principalmente, num raio de 1km.

  As pessoas que não foram incineradas instantaneamente, morriam, segundo os relatos, desesperadas por um singelo copo de água.

   Conheci um sobrevivente quando visitando a praça da paz em Nagasaki que ia todo dia ao local para molhar com um pouco de água um dos diversos monumentos feitos para homenagear as vítimas.

   Houve um segundo evento físico que foi a criação de ventos muito fortes que chegaram a quase 1.000 km por hora, devastando tudo que via pela frente.

   Houve a forte radiação, um efeito extremamente nefasto, pois, além de provocar diversos tipo de câncer, provocou mudanças no DNA dos afetados, o que fez com que os efeitos da radiação fossem passados para os filhos.

   E houve o efeito social de uma profunda discriminação contra as pessoas afetadas pela radiação, elas são conhecidas no Japão como Hibakusha.

Era Preciso Utilizar Armas Nucleares contra o Japão?

   Por qual motivo foram utilizadas armas nucleares contra o Japão que já estava praticamente derrotado?

   Bom, não sou historiador, e vou dar um breve resumo tendo em vista as informações que obtive visitando os dois museus em Hiroshima e Nagasaki dedicados exclusivamente aos ataques nucleares.

   Convencido da necessidade da pesquisa e desenvolvimento de uma arma nuclear, os EUA lançaram o Projeto Manhattan, um projeto científico que envolveu a participação de 130.000 mil pessoas, e custou 2 bilhões de dólares à época, algo quase que como 30 bilhões de dólares a valores atuais.

   Foi um projeto gigantesco. Eu imagino se a humanidade não seria capaz de fazer a mesma coisa hoje em dia, mas para fins pacíficos e humanitários.

   Imaginem, prezados leitores, colocar 100 mil cientistas com dezenas de bilhões de dólares para descobrir curas de doenças, formas de gerar energia limpa, formas de potencializar o uso eficiente das coisas, etc, etc.

   Com os avanços nas pesquisas e desenvolvimentos, os EUA resolveram que usariam uma eventual arma nuclear contra a Alemanha.

   Entretanto, no final de 1943, Winston Churchill, o grande líder Inglês, convenceu os americanos que usar uma arma nuclear contra a Alemanha traria profundas conseqüências negativas no pós-guerra para toda Europa, o que fez que os Americanos decidissem utilizar a arma contra o Japão.

   Diversas cidades japonesas faziam parte de uma lista de possíveis cidades a ser bombardeadas, inclusive a antiga capital imperial Kyoto que se não fosse pela intervenção de um general, que não me lembro o nome, seria bombardeada.

   Este general disse que se os EUA destruíssem um dos símbolos máximos do Japão, haveria grandes dificuldades de fazer o Japão um aliado no pós-guerra.

   E sim Kyoto é uma cidade de uma beleza incrível, uma das cidades a se conhecer pelo menos uma vez.

   Por fim, os americanos decidiram utilizar a bomba atômica sobre as cidades de Hiroshima, Kokura ou Nagasaki

   A cidade de Nagasaki era o segundo alvo e apenas foi bombardeada, pois as condições metrológicas de Kokura não estavam boas no dia 09 de agosto.

   Como o destino pode ser mudado de maneira tão drástica e profunda por causa de pequenos detalhes, outro aspecto para reflexões profundas.

   É importante ressaltar que essas cidades não sofreram air raids (ataques aéreos) durante a guerra, com o objetivo único e exclusivo de se poder medir o real impacto de um dispositivo nuclear.

   Outro aspecto importante, é que diversos cientistas se posicionaram anteriormente ao bombardeio de que o lançamento das bombas deveria ser previamente avisado ao Japão, e fosse feito em áreas sem grande concentração populacional, pois se o objetivo fosse apenas demonstrar o poder destrutivo desse novo armamento, isso poderia ser feito sem levar tanta dor e sofrimento aos japoneses, mas o exército americano foi irredutível nesse ponto.

   Sendo assim, as bombas nucleares foram um ato de assassinato coletivo perpetrado pelos americanos?

   A resposta não é tão simples. O Japão estava derrotado, mas os americanos não acreditavam na rendição, tendo em vista a ferocidade com que os japoneses lutavam. 

   Basta lembrarmo-nos dos Kamikazes (“Vento Divino”,). Aliás, essa expressão surgiu no século XIV quando 300.000 mil mongóis tentaram invadir o Japão e ventos fortíssimos causaram o naufrágio de centenas de navios, ocasionando, segundo algumas fontes históricas, o afogamento de quase 70.000 mil pessoas, o que poderia ser considerado o maior desastre marinho da história).

   Havia uma percepção dos americanos de que se o Japão tivesse que ser invadido, e havia planos para isso ser feito ao final de 1945, o custo em vidas de soldados americanos seria muito alto, haja vista que havia no Japão até uma campanha de morte de todos os japoneses com honra na defesa da terra sagrada do Japão.

   Assim, o uso da arma seria justificado para obrigar uma rendição incondicional do Japão.  A tese faz sentido, mas na primeira bomba lançada em Hiroshima, os EUA poderiam ter poupado dezenas de milhares de vidas se fizessem o bombardeio numa área não tão povoada.

   Se a primeira bomba lançada em Hiroshima abre espaço para dúvida, a segunda bomba em Nagasaki, em minha opinião, foi simplesmente um ato de barbárie e assassinato coletivo, num grande crime de guerra, comparável com algumas atrocidades cometidas pelos nazistas.

   O poder da bomba já era conhecido, bem como os seus efeitos nefastos (excetuando-se o da radiação), a União Soviética tinha acabado de declarar guerra ao Japão.

   Era claro que o Japão se renderia, pois a única esperança japonesa em continuar a guerra era uma intermediação neutra da União Soviética no conflito, o que foi por terra quando Stalin resolveu declarar guerra ao Império Japonês.

   Entretanto, mesmo assim a segunda bomba foi lançada, no que para mim foi um ato de covardia contra a espécie humana.

Nagasaki destruída por uma bomba nuclear
Nagasaki destruída. Eu estive nesse local que é perto do ground zero.
Visão Noturna de Nagasaki
Sim, Nagasaki, assim como Hiroshima, é uma cidade linda. Em 2012, se não me engano, Nagasaki foi eleita como uma das três cidades com melhor vista noturna de todo o mundo. Pude comprovar, num passeio em um cable car, onde pude ver a cidade de noite. Muito bonita (a foto não é minha, retirada da intenet)
Parque da Paz em Nagasaki no Japão
Parque da Paz em Nagasaki
Memorial homenagem às vítimas no Japão
Memorial para as vítimas da bomba em Nagasaki. Foi uma sensação bem intensa visitar esse memorial. Senti o mesmo quando estive em Auschiwitz na Polônia (maior campo de concentração nazista) e nos Kiling Fields e Prisão S21 em Phnom Penh no Camboja.
Hiroshima no Japão, parque da Paz
Memorial as vítimas em Hiroshima no parque da Paz.

 O Japão não cometeu crimes?Tudo vale na guerra?

Era guerra. Sim, era guerra. Os japoneses cometeram também muitas atrocidades, principalmente na ocupação da China.

Há dois filmes espetaculares que tratam da ocupação japonesa em território chinês, um é um pouco mais recente e outro mais antigo: “Flores do Oriente”, o filme é muito bom mesmo, e o outro é “Império do Sol”, esse é um clássico

 Os crimes cometidos pelos japoneses na China ainda são motivos de muito atrito diplomático entre os dois países.

Portanto, era guerra, com atrocidades cometidas de por todos os lados, talvez mais ainda do lado japonês.

Entretanto, em minha opinião, isso não justifica o uso de uma arma tão destruidora em populações civis. A humanidade foi ferida nos dias 6 e 9 de agosto de 1945, e o mundo nunca mais seria o mesmo.

 

Ótimo filme. Foca principalmente na questão da agressão sexual dos japoneses em relação às mulheres chinesas. Esse é um tema muito sensível ainda na relação entre os dois países. Os Japoneses cometeram crimes semelhantes em outros países asiáticos ocupados como as Filipinas.

Esse filme de 1987 do Spilberg é um clássico. Filme obrigatório para quem gosta de cinema.

  Mesmo após ter recebido duas bombas atômicas em seu solo, o povo japonês se reergueu e veio a se tornar uma das maiores economias do mundo, proporcionando uma vida materialmente muito confortável para a esmagadora maioria do seu povo. É um país sensacional e um povo admirável.

  Se você algum dia tiver tempo, condições e disposição, com certeza o Japão é um país que merece ser visitado e apreciado em todos os seus aspectos culturais, culinários e históricos.

 

Pensem nas criancas
Mudas, Telepáticas
Pensem nas meninas
Cegas, inexatas
Pensem nas mulheres
Rotas, Alteradas
Pensem nas feridas
Como rosas cálidas
Mas oh! Nao se esquecam
Da rosa, da rosa
Da rosa de Hiroshima
A rosa hereditária
A rosa radioativa
Estúpida e inválida
A rosa com cirrose
A anti-rosa atomica
Sem cor, sem perfume
Sem rosa, sem nada
(Letra da música Rosa de Hiroshima de Ney Matogrosso)
Um grande abraço e obrigado por ler esse texto.

obs: esse texto foi escrito originalmente em de 2014, foram feitas modificações. Os comentários publicados em 2014 com respostas minhas em 2020 representam as minhas respostas naquela época, não houve qualquer mudança no conteúdo ou grafia.